4-0-3
 
 
Página Inicial  

Pesquisar pelo Site:

Oriente-se
Empresas
Imóveis
Turismo
 
 



 

Entidades de empresários e trabalhadores se manifestaram sobre a queda da Selic



Pela oitava vez seguida, o Banco Central (BC) baixou os juros básicos da economia. Por unanimidade, o Comitê de Política Monetária (Copom) reduziu a taxa Selic em 1 ponto percentual, de 9,25% ao ano para 8,25% ao ano. A decisão era esperada pelos analistas financeiros Com a redução de hoje, a Selic chega ao menor nível desde outubro de 2013, quando estava em 9% ao ano.

Entidades representantivas dos empresários e trabalhadores se manifestaram sobre a queda da Selic. Acompanhe.

CNI

Para a CNI, a decisão do Banco Central de reduzir os juros básicos da economia ajudará a recuperar a produção e o consumo, porém a manutenção dos juros baixos por muito tempo depende da aprovação de reformas como a da Previdência Social.

“A redução dos juros é essencial para a recuperação das condições financeiras, tanto das empresas quanto dos consumidores, e para impulsionar a retomada da economia”, informou o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, em comunicado.

A confederação, no entanto, pede avanços concretos nas reformas estruturais em tramitação no Congresso, especialmente a da Previdência Social. “Esses avanços vão possibilitar a retomada do equilíbrio fiscal de forma a permitir a concretização de uma trajetória sustentável da dívida pública”, concluiu o presidente da CNI.

SPC

O Serviço de Proteção ao Crédito - SPC Brasil - elogiou a redução dos juros básicos. Para a entidade, o fato de as taxas básicas estarem no nível mais baixo em quatro anos facilitará a retomada da economia brasileira. A entidade, no entanto, avaliou que o ciclo de corte dos juros está perto do fim. “Com o corte atual, os juros se aproximam do mínimo histórico de 7,25% [ao ano] entre o final de 2012 e o início de 2013. A autoridade monetária tem inclusive espaço para atingir este patamar ou chegar muito próximo dele”, destacou o SPC Brasil.

Fiesp

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, considerou insuficiente o corte de apenas um ponto percentual da taxa básica de juros, a Selic. Para Skaf, o corte da taxa deveria ter sido maior. “Com previsão de inflação de 3,31% no fim deste ano, sem dúvida há espaço para cortes mais incisivos da Selic”, disse, em nota.

“A retomada da economia começa a se desenhar, mas ainda de maneira muito lenta. O Brasil tem pressa. Os 13 milhões de brasileiros desempregados não podem esperar mais. Está na queda mais rápida da Selic a chave para acelerar o crescimento e a retomada do emprego”.

Associação Comercial de São Paulo

O presidente da Associação Comercial de São Paulo, Alencar Burti, disse esperar por cortes maiores na taxa. “É uma decisão alinhada com o que o mercado esperava e que se justifica plenamente, considerando que a inflação em 12 meses, divulgada hoje, está abaixo inclusive do limite inferior da meta. Espera-se, contudo, que haja continuidade nos cortes nas duas próximas reuniões do comitê neste ano”, disse Burti.

Força Sindical

Por meio de nota, a Força Sindical criticou a queda da Selic não ter sido maior. “O Copom (Comitê de Política Monetária) precisa deixar o conservadorismo de lado, ousar e levar os juros a patamares que facilitem a retomada do crescimento econômico. Defendemos também a implementação de outras políticas que priorizem a retomada do investimento, o crescimento da economia, a geração de empregos, a redução da desigualdade social, o combate à pobreza e a distribuição de renda”, diz a nota, assinada pelo presidente da entidade, Paulo Pereira da Silva, e pelo secretário-geral da Força, João Carlos Gonçalves, o Juruna.

Firjan

Para a Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), a decisão do Banco Central é coerente com o cenário econômico, mas “ainda é grande a ociosidade no parque fabril e no mercado de trabalho, em que pese o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) nos dois últimos trimestres. O grande desafio do Brasil é justamente voltar a crescer com inflação e juros baixos. E isso só será possível com o equilíbrio das contas públicas”.

Na nota, o Sistema Firjan reforça a importância e a urgência do Congresso Nacional aprovar a reforma da Previdência.

Da Agência Brasil
* Reportagem de Wellton Máximo (Brasília), Elaine Patrícia Cruz (São Paulo) e Douglas Côrrea (Rio de Janeiro).

08.09.17 09:27

Outras Notícias:  
14.09.17 11:40 Juros ao consumidor continuam elevados e into...
14.09.17 11:31 Atividade econômica cresce 0,41% em julho
13.09.17 17:27 Por unanimidade, Supremo rejeita suspeição d...
13.09.17 17:19 Maioria do STF rejeita suspeição de Janot par...
13.09.17 16:59 CNC eleva previsão de crescimento nas vendas ...
13.09.17 16:55 Vendas no comércio varejista ficam estáveis no mês de julho
12.09.17 19:06 Ministro Barroso, do STF, abre inquérito para...
12.09.17 16:04 Garantias individuais estão sendo violentadas...
12.09.17 16:01 BC indica corte menor de juros e fim gradual...
11.09.17 18:03 Governo retoma discussão e Previdência deve s...
 
Anterior [2/1039] Próximo
Copyright © Vida Econômica - É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Power by Sistema agencianaweb.com.br