4-0-3
 
 
Página Inicial  

Pesquisar pelo Site:

Oriente-se
Empresas
Imóveis
Turismo
 
 



 

Juros ao consumidor continuam elevados e intocáveis, apesar da queda da Selic para 8,25%

Um banho de água gelada nas finanças pessoais

Redução de R$0,78 centavos na compra de uma geladeira em doze parcelas

Redução de R$0,53 centavos na utilização de R$1.000,00 no cheque especial durante vinte dias

Os juros elevados cobrados ao consumidor continuam a dar um banho de água gelada nas finanças pessoais e tirar o ânimo com os bons sinais de aquecimento da economia, como a inflação mais baixa, a volta do crescimento da atividade econômica e das vagas de emprego, que abrem caminho para o fim da mais longa recessão do país.

Apesar da queda da Selic (taxa básica de juros) de 9,25% para 8,25%, os juros no custo do financiamento, do cheque especial, do cartão de crédito e de outras operações de crédito continuam altos e intocáveis. Para ficar atento a essa ameaça permanente para as finanças pessoais, acompanhe o estudo do nosso âncora Miguel Ribeiro de Oliveira, que demonstra o efeito da redução da Selic nos juros na ponta.

O efeito da queda da Selic é tão pequeno nos juros das operações de credito que atinge centavos, constata o estudo. Isso porque há um deslocamento gigantesco entre a taxa Selic (taxa básica de juros) de 8,25% e as taxas de juros cobradas ao consumidor, que na média da pessoa física está no patamar de 140,40% ao ano, o que provoca uma variação de mais de 1.400% entre as duas pontas.

O estudo faz simulações sobre o impacto da redução da taxa Selic nos juros cobrados ao consumidor. O efeito dessa redução, por exemplo, na compra de uma geladeira com o valor à vista de R$1.500,00 financiada em doze vezes é de R$0,78 centavos. Confira no gráfico.


A utilização de R$1.000,00 do cheque especial durante vinte dias com a taxa Selic de 8,25%, a taxa de juros cai de 12,29% para 12,21%, o que corresponde uma a redução de R$0,53.


No atraso de trinta dias de R$3.000,00 no cartão de crédito rotativo, a taxa de juros cobrados ao consumidor cai de 13,34% para 13,26%, o que representa a redução no valor de R$2,40.


Pessoa Jurídica

Isso ocorre também nas operações de crédito para as empresas. O desconto de uma duplicata, por exemplo, no valor de R$20.000,00 pelo prazo de noventa dias tem a redução de R$50,75.


Para receber o estudo completo do nosso âncora sobre o impacto da redução da Selic nos juros cobrados ao consumidor e às empresas, envie seu pedido para ideia@vidaeconomica.com.br

14.09.17 11:40

Outras Notícias:  
19.01.18 19:12 Sebrae e parlamentares querem derrubar veto a...
18.01.18 15:12 Caixa substituirá temporariamente vice-presidentes afastados
18.01.18 15:05 Febraban estuda ações para reduzir juros do cheque especial
18.01.18 15:02 Balança comercial tem superávit recorde em 20...
17.01.18 15:14 Intenção de consumo das famílias aumenta quas...
16.01.18 18:02 Aumenta a oferta de emprego na indústria brasileira, diz CNI
16.01.18 17:58 Mercado projeta inflação de 3,95% e crescimen...
15.01.18 16:07 Número de famílias endividadas aumentou em mé...
15.01.18 16:03 Atividade econômica cresce 0,49% em novembro
15.01.18 15:51 Após três anos de queda, venda de ônibus e ca...
 
Anterior [1/1058] Próximo
Copyright © Vida Econômica - É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Power by Sistema agencianaweb.com.br