4-0-3
 
 
Página Inicial  

Pesquisar pelo Site:

Oriente-se
Empresas
Imóveis
Turismo
 
 



 

Adesão ao eSocial para empresa que fatura mais de R$ 78 milhões começa 2ªfeira





Recolhimento de impostos na contratação dos empregados domésticos pelo eSocial começou em novembro de 2015.

Começa na segunda-feira (8) a primeira etapa de implantação do Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (eSocial). Empresas com faturamento anual superior a R$ 78 milhões serão as primeiras a ter que sincronizar os dados contábeis de seus trabalhadores no programa.

Segundo o Comitê Gestor do eSocial, esse grupo representa mais de 13 mil empresas e cerca de 15 milhões de trabalhadores, aproximadamente um terço do total de trabalhadores do país.

O cronograma prevê a implantação em cinco fases para todas as empresas privadas do país, incluindo micros e pequenas empresas e MEIs (Micro Empreendedores Individuais) que possuam empregados.

Para elas, a utilização obrigatória do eSocial está prevista para 16 de julho. Já para os órgãos públicos, o sistema torna-se obrigatório a partir de 14 de janeiro de 2019.

Penalidades e multas

Depois de totalmente implementado, o eSocial reunirá informações de mais de 18 milhões de empregadores e 44 milhões de trabalhadores do setor público e privado do país.

As empresas que descumprirem o envio de informações por meio do eSocial estarão sujeitos a penalidades e multas.

O eSocial é um sistema de registro de informações criado para desburocratizar e facilitar a administração de informações relativas aos trabalhadores, para que as empresas possam realizar o cumprimento de suas obrigações fiscais, trabalhistas e previdenciárias de forma unificada e organizada. Por meio dele, pretende-se reduzir custos, processos e tempo gastos hoje pelas empresas com essas ações.

Quando totalmente implementado, o eSocial representará a substituição de 15 prestações de informações ao governo como GFIP (Guia de Recolhimento de FGTS e de Informações à Previdência Social), RAIS (Relação Anual de Informações Sociais, Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) e DIRF (Declaração do Imposto sobre a Renda Retido na Fonte) – por apenas uma.

Fases de implementação

De acordo com o cronograma, na primeira fase as empresas e órgãos deverão incluir no sistema suas próprias informações, ou seja, cadastros do empregador e tabelas.

Os dados sobre os trabalhadores e seus vínculos trabalhistas, como admissões e desligamentos, passam a ser solicitados na segunda fase.

Na terceira fase, passará a ser obrigatório o envio das folhas de pagamento, e, na quarta fase, a Guia de Informações à Previdência Social será substituída pelo novo sistema. Na última fase, deverão ser enviados os dados de segurança e saúde do trabalhador.

Andreia Verdélio
da Agência Brasil

06.01.18 15:48

Outras Notícias:  
11.07.18 18:20 Produção industrial cai em 14 de 15 locais pe...
10.07.18 19:04 CNI aponta índice do medo do desemprego acima...
10.07.18 19:01 Novo ministro do Trabalho defende atuação técnica na pasta
09.07.18 18:16 Mercado financeiro aumenta projeção para a in...
09.07.18 18:11 Cármen Lúcia: resposta judicial deve ocorrer...
09.07.18 18:03 Membros do Ministério Público acionam CNJ con...
05.07.18 18:34 Poupança tem maior captação líquida no primei...
05.07.18 18:30 Endividamento das famílias caiu em junho, divulga CNC
04.07.18 19:38 Greve dos caminhoneiros fez indústria recuar ...
03.07.18 14:24 Inflação medida pelo IPC-S sobe em seis capi...
 
Anterior [2/1088] Próximo
Copyright © Vida Econômica - É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Power by Sistema agencianaweb.com.br