4-0-3
 
 
Página Inicial  

Pesquisar pelo Site:

Oriente-se
Empresas
Imóveis
Turismo
 
 



 

Juros do cheque especial sobem para 324,7% ao ano




Consumidor deve evitar usar cheque especial. Juros subiram para 324,7% ao ano. Juros do rotativo do cartão de crédito aumentaram para 241% ao ano


Arquivo/Marcello Casal Jr/Agência Brasil

A taxa de juros do cheque especial continua subindo e chegou a 324,7% ao ano, em janeiro, de acordo com dados do Banco Central (BC). Em relação a dezembro, o aumento foi de 1,7 ponto percentual.

Outra alta taxa de juros é a do rotativo do cartão de crédito, que atingiu 241% ao ano em janeiro, com aumento de 7,1 pontos percentuais em relação a dezembro. Essa é a taxa para quem paga pelo menos o valor mínimo da fatura do cartão em dia.

Já a taxa cobrada dos consumidores que não pagaram ou atrasaram o pagamento mínimo da fatura caiu 14,6 pontos, indo, em janeiro, para 387,1% ao ano. Com isso, a taxa média da modalidade de crédito ficou em 327,9% ao ano, com queda de 6,9 pontos percentuais em relação a dezembro.

O rotativo é o crédito tomado pelo consumidor quando paga menos que o valor integral da fatura do cartão. O crédito rotativo dura 30 dias. Após esse prazo, as instituições financeiras transferem a dívida para o crédito parcelado, seguindo regra estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) no ano passado.

A taxa do crédito parcelado aumentou 3 pontos percentuais para 171,5% ao ano, no primeiro mês do ano. A taxa média de juros para as famílias subiu 0,7 ponto percentual para 55,8% ao ano, em janeiro. A taxa média das empresas também cresceu 0,7 ponto percentual: agora é de 22,3 % ao ano.

Inadimplência do crédito fica estável em 5,2%

A inadimplência do crédito, considerados atrasos acima de 90 dias, para pessoas físicas, ficou estável em 5,2%. No caso das pessoas jurídicas, houve alta de 0,3 ponto percentual para 4,8%. Esses dados são do crédito livre em que os bancos têm autonomia para aplicar dinheiro captado no mercado.

No caso do crédito direcionado (empréstimos com regras definidas pelo governo, destinados, basicamente, aos setores habitacional, rural e de infraestrutura) os juros para as pessoas físicas subiram 0,2 ponto percentual e atingiram 8,2% ao ano.

A taxa cobrada das empresas cresceu 0,9 ponto percentual: 11,7% ao ano. A inadimplência aumentou 0,4 ponto percentual para famílias (2,1%) e 0,1 ponto percentual para as empresas (1,3%).

O chefe do Departamento de Estatísticas do BC, Fernando Rocha, avaliou que embora tenha havido alta em janeiro, as taxas de juros, quando analisadas em períodos mais longos, estão se reduzindo. “As taxas de juros têm se reduzido se olhar em períodos mais longos, de 12 meses”, disse.

Ao ser questionado sobre o efeito das reduções recentes na taxa básica, a Selic, Rocha acrescentou que como os juros cobrados do consumidor são altos no país, todos gostariam que a queda fosse mais rápida. A Selic está atualmente em 6,75% ao ano.

Em 12 meses, a taxa de juros média cobrada das famílias caiu 17,4 pontos percentuais. No caso das empresas, houve redução de 6,4 pontos percentuais.

Inadimplência do crédito fica estável em 5,2%

A inadimplência do crédito, considerados atrasos acima de 90 dias, para pessoas físicas, ficou estável em 5,2%. No caso das pessoas jurídicas, houve alta de 0,3 ponto percentual para 4,8%. Esses dados são do crédito livre em que os bancos têm autonomia para aplicar dinheiro captado no mercado.

No caso do crédito direcionado (empréstimos com regras definidas pelo governo, destinados, basicamente, aos setores habitacional, rural e de infraestrutura) os juros para as pessoas físicas subiram 0,2 ponto percentual e atingiram 8,2% ao ano.

A taxa cobrada das empresas cresceu 0,9 ponto percentual: 11,7% ao ano. A inadimplência aumentou 0,4 ponto percentual para famílias (2,1%) e 0,1 ponto percentual para as empresas (1,3%).

Volume de crédito

O saldo de todas as operações de crédito concedido pelos bancos ficou em R$ 3,066 trilhões, com redução de 0,8%, no mês. Em 12 meses, houve retração de 0,3%. Em relação a tudo o que o país produz – Produto Interno Bruto (PIB) - o volume correspondeu a 46,6%, com redução de 0,5 ponto percentual em relação a outubro.

Kelly Oliveira
da Agência Brasil

28.02.18 15:31

Outras Notícias:  
20.08.18 11:36 Mercado mantém previsões para inflação e PIB neste ano
20.08.18 11:26 Economia deve crescer 0,3% do 1º para o 2º tr...
20.08.18 11:22 Caixa tem lucro de R$ 6,7 bilhões no primeiro semestre
17.08.18 17:01 Indústria paulista cria mil vagas em julho, diz pesquisa
17.08.18 16:57 Inflação recua em quatro das sete capitais pe...
17.08.18 16:53 Com fim da hegemonia da TV, internet pode ser...
16.08.18 16:26 Com regras rígidas e claras, começa propaganda eleitoral
16.08.18 16:18 Subutilização da força de trabalho atinge 27...
16.08.18 16:13 Número de pontos comerciais volta a crescer n...
15.08.18 21:09 Prazo termina e todos os 13 candidatos se registram no TSE
 
Anterior [1/1095] Próximo
Copyright © Vida Econômica - É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Power by Sistema agencianaweb.com.br