4-0-3
 
 
Página Inicial  

Pesquisar pelo Site:

Oriente-se
Empresas
Imóveis
Turismo
 
 



 

Greve dos caminhoneiros fez indústria recuar 10,9% de abril para maio



A produção industrial brasileira caiu 10,9% em maio deste ano, na comparação com abril. Foi a maior queda do indicador desde dezembro de 2008, com recuo de 11,2%. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a queda foi motivada principalmente pela paralisação dos caminhoneiros no final de maio, que afetou o processo de produção em várias unidades industriais do país.

Na comparação com maio do ano passado, o recuo chegou a 6,6%, o mais intenso desde outubro de 2016, que foi de 7,3%, interrompendo 12 meses consecutivos de altas. Apesar disso, a indústria brasileira ainda acumula altas de 2% no ano e de 3% em 12 meses.

“A greve desarticulou o processo de produção em si, seja pelo abastecimento de matéria prima, seja pela questão da logística na distribuição. A entrada do mês de maio caracterizou uma redução importante no ritmo de produção”, explicou o coordenador da pesquisa André Macedo.

O patamar de produção industrial retornou a um nível próximo ao de dezembro de 2003, ficando 23,8% abaixo do recorde alcançado em maio de 2011.

Atividades

De abril para maio, o recuo atingiu as quatro grandes categorias econômicas, com destaque para os bens de consumo duráveis, que tiveram queda de 27,4%. Os bens de consumo semi e não duráveis caíram 12,2%. As demais categorias tiveram os seguintes decréscimos: bens de capital, isto é, as máquinas e equipamentos (-18,3%), e bens intermediários, isto é, os insumos industrializados para o setor produtivo (-5,6%).

Das 26 atividades pesquisadas, 24 tiveram queda na produção. As principais influências negativas vieram dos veículos automotores, reboques e carrocerias (-29,8%), dos produtos alimentícios (-17,1%) e de bebidas (-18,1%), todas pressionadas pela paralisação dos caminhoneiros.

Os únicos segmentos com alta na produção foram coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (6,3%) e de indústrias extrativas (2,3%).

Vitor Abdala
da Agência Brasil

04.07.18 19:38

Outras Notícias:  
22.02.19 11:21 2019 começa com juros altos e absurdos ao consumidor
22.02.19 11:09 Chanceler vai à Colômbia para apoiar ajuda hu...
21.02.19 13:28 Bolsonaro pede apoio do Congresso e diz que f...
20.02.19 16:04 Reforma tem que ser aprovada na Câmara e no S...
20.02.19 15:59 As regras de transição previstas na reforma da Previdência
20.02.19 10:22 Bolsonaro entrega a deputados proposta da ref...
20.02.19 10:16 Ford anuncia fechamento da fábrica de São Bernardo do Campo
19.02.19 09:17 Economia brasileira cresceu 1,1% em 2018, diz FGV
19.02.19 09:13 Exoneração de Bebianno é publicada no Diário ...
18.02.19 10:09 Reforma da Previdência será enviada ao Congresso na quarta
 
Anterior [1/1123] Próximo
Copyright © Vida Econômica - É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Power by Sistema agencianaweb.com.br