4-0-3
 
 
Página Inicial  

Pesquisar pelo Site:

Oriente-se
Empresas
Imóveis
Turismo
 
 



 

Financiamento imobiliário fica mais caro na Caixa



Nosso âncora Miguel Ribeiro de Oliveira demonstra os efeitos das elevações das taxas de juros

Nesta segunda-feira (19) entram em vigor as elevações das taxas de juros para financiamento imobiliário da CEF – Caixa Econômica Federal.

As alterações são para os sistemas SFH (Sistema Financeiro da Habitação) e SFI (Sistema de Financiamento Imobiliário).


Confira os novos valores:

SFH

• Taxa de balcão: se mantém em 9,15%

• Relacionamento: era 8,75%; vai para 9%

• Relacionamento (mais salário): era 8,25%; vai para 8,70%

• Servidor (com relacionamento): era 8,60%; vai para 8,70%

• Servidor (com relacionamento e salário): era 8%; vai para 8,50%

SFI

• Taxa de balcão: era 9,20%; vai para 11%

• Relacionamento: era 9,10%; vai para 10,70%

• Relacionamento (mais salário): era 9%; vai para 10,50%

• Servidor (com relacionamento): era 9%; vai para 10,50%

• Servidor (com relacionamento e salário): era 8,80%; vai para 10,20%

Para demonstrar os efeitos das elevações dos juros em um financiamento no valor de R$ 500 mil em 30 anos (360 meses), tanto pela Tabela PRICE, como pelo Sistema de Amortização – SAC, nosso âncora fez os cálculos de cada nova situação do financiamento, mostrando quanto aumentou o valor da prestação.

Para obter gratuitamente esse estudo, solicite pelo e-mail ideia@vidaeconomica.com.br ou vidaeconomica86@gmail.com

Veja mais.

Aumento de juros terá impacto de até 14,3% na prestação da casa própria

Wellton Máximo
da Agência Brasil

O aumento de juros para os novos financiamentos da Caixa Econômica Federal para a casa própria terão impacto de até 14,3% nas prestações. Segundo levantamento da Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), os financiamentos mais caros serão os mais afetados pelas novas taxas, que vigoram para os contratos assinados a partir desta segunda-feira (19).

Para as linhas de crédito do Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI), que financiam imóveis acima de R$ 650 mil na maior parte do país e de R$ 750 mil em Minas Gerais, no Rio de Janeiro, em São Paulo e no Distrito Federal, as novas taxas farão a prestação subir entre 11,24% e 14,35%. Para as operações do Sistema Financeiro da Habitação (SFH), que financia unidades entre R$ 190 mil e R$ 650 mil (ou R$ 750 mil, em Minas, no Rio, em SP e no DF), o impacto nas parcelas será bem menor, ficando entre 0,83% e 4,69% nas linhas que sofreram reajuste.

As novas taxas valem para os novos financiamentos habitacionais concedidos com recursos da caderneta de poupança, sendo que as operações mais caras do SFH não terão os juros alterados. De acordo com a Caixa, os mutuários que já assinaram contrato não terão mudança. Os imóveis financiados com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) ou pelo Programa Minha Casa, Minha Vida também não tiveram os juros alterados. As duas modalidades financiam apenas unidades de até R$ 190 mil para famílias de menor renda.

As novas taxas para os financiamentos habitacionais foram anunciadas pela Caixa na última quinta-feira (15). Nos financiamentos do SFH, os juros, atualmente entre 8% e 9,15% ao ano, ficarão entre 8,5% e 9,15% ao ano. Nas operações do SFI, as taxas passarão de 8,8% a 9,2% ao ano para 10,2% a 11% ao ano. O banco justificou o reajuste com base no aumento da taxa Selic (juros básicos da economia), que passaram de 10% para 11,75% ao ano em 2014.

Os juros dos financiamentos habitacionais da Caixa são definidos conforme o perfil do comprador. Quem tem relacionamento com o banco (é correntista ou tem investimentos na instituição), tem conta-salário e é servidor público paga juros mais baixos à medida que o mutuário preenche cada um dos requisitos. Como a Caixa concentra 70% do crédito imobiliário no país, as taxas cobradas pela instituição servem de referência para operações semelhantes nos demais bancos.

A Anefac fez a simulação do impacto da alta dos juros nas prestações com base num financiamento de R$ 500 mil no SFH e no SFI em duas modalidades: prestação constante (tabela price) e amortização constante, quando o valor das parcelas diminui com o tempo. No caso do sistema de amortização constante, o impacto foi calculado para o valor da primeira prestação. Na última parcela, praticamente não há aumento.

Caixa sobe juros de financiamentos da casa própria com recursos da poupança

Wellton Máximo
da Agência Brasil

Os mutuários que pretendem financiar a compra da casa própria com recursos da poupança podem preparar o bolso. A Caixa Econômica Federal reajustará os juros das operações contratadas por meio do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE). A justificativa foi o aumento na taxa Selic (juros básicos da economia), que subiu nos últimos meses e está em 11,75% ao ano.

As novas taxas valem para financiamentos concedidos a partir de domingo (19). De acordo com a Caixa, os mutuários que já assinaram contrato não terão mudança. Os imóveis financiados com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) ou pelo Programa Minha Casa, Minha Vida também não sofrerão alterações.

No Sistema Financeiro da Habitação (SFH), apenas a taxa para quem não é correntista da Caixa não mudou, sendo mantida em 9,15% ao ano. Para os correntistas do banco, os juros subirão de 8,75% para 9% ao ano. Os mutuários com conta na Caixa e que recebem salários pelo banco passarão a pagar 8,7% ao ano de juros, em vez de 8,25% ao ano.

Para os servidores públicos, a taxa aumentará de 8,6% para 8,7% ao ano para os correntistas. Para os servidores com conta na Caixa e que recebem salário pelo banco, os juros passarão de 8% para 8,5% ao ano.

O SFH financia até 90% de imóveis de até R$ 650 mil. Em São Paulo, no Rio de Janeiro, no Distrito Federal e em Minas Gerais, o valor máximo de avaliação do imóvel corresponde a R$ 750 mil. As linhas do SFH tem custo efetivo máximo limitado a 12% ao ano. O custo efetivo máximo engloba juros e impostos sobre a linha de crédito, mas exclui gastos com seguros e taxas de administração.

No Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI), que segue regras de mercado e não tem limite de valor para os imóveis, a taxa para quem não tem vínculo com a Caixa subirá de 9,2% ao ano para 11% ao ano. Para os correntistas do banco, os juros passarão de 9,1% ao ano para 10,7% ao ano. Quem tem conta no banco e recebe salário pela Caixa passará a pagar 10,5% ao ano de juros, em vez de 9% ao ano.

No caso dos servidores públicos, os juros também subirão de 9% ao ano para 10,5% ao ano. Para servidores com conta na Caixa e que recebem salário pelo banco, os juros saltarão de 8,8% ao ano para 10,2% ao ano.

19.01.15 12:14

Outras Notícias:  
21.09.17 12:45 Prévia da inflação em setembro tem o menor re...
21.09.17 12:39 BC reduz projeção de inflação este ano para 3,2%
21.09.17 12:36 Expectativa de inflação dos brasileiros sobe ...
21.09.17 12:33 Maia diz que PMDB está tentando reduzir o cre...
20.09.17 16:44 São Paulo mantém melhor posição no ranking de...
20.09.17 16:35 Temer diz a investidores que Brasil é um dest...
20.09.17 16:31 Em Nova York, Meirelles diz que recessão acab...
19.09.17 12:50 Em julho, sistema de consórcios bate recorde ...
19.09.17 12:40 Temer defende maior abertura do Brasil ao mun...
19.09.17 12:36 Pesquisa CNT: 3,4% aprovam governo Temer e 75,6% reprovam
 
Anterior [1/1040] Próximo
Copyright © Vida Econômica - É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Power by Sistema agencianaweb.com.br