4-0-3
 
 
Página Inicial  

Pesquisar pelo Site:

Oriente-se
Empresas
Imóveis
Turismo
 
 



 

Venda de imóveis residenciais na capital paulista cai 1,6% de abril para maio



Flávia Albuquerque
da Agência Brasil

O número de imóveis residenciais vendidos na cidade de São Paulo chegou a 2.149 em maio, uma queda de 1,6% na comparação com o mês anterior, de acordo com a Pesquisa do Mercado Imobiliário, do Departamento de Economia e Estatística do Sindicato da Habitação (Secovi-SP). Em relação a maio do ano passado, quando foram comercializadas 2.080 unidades, houve aumento de 3,3%.

O maior volume de vendas foi o de imóveis com dois dormitórios (1.432 unidades), que representaram 67% do total comercializado no mês. Nesse caso, o valor médio das unidades é R$ 294 mil. O segmento de um dormitório teve participação de 16% (349 unidades) nas vendas, seguido pelos de três quartos, com 14% (310 unidades). Os imóveis de quatro ou mais dormitórios contribuíram com 3% (58 unidades) do total comercializado.

A cidade de São Paulo encerrou o mês de maio com uma oferta de 28.118 unidades disponíveis para venda, entre imóveis na planta, em construção e prontos, lançados nos últimos 36 meses.

Segundo dados da Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio (Embraesp), em maio, foram lançados 2.403 imóveis residenciais na capital paulista, o que representa uma queda de 20,5% em relação ao mês de abril (3.023 unidades) e de 6,9% em relação a maio de 2014 (2.582).

Na avaliação do economista-chefe do Secovi-SP, Celso Petrucci, o resultado de maio é praticamente uma estabilidade, o que confirma que a demanda se mantém mesmo em épocas de ajuste da economia. Segundo ele, no entanto, é difícil ajustar os produtos ao mercado consumidor. "A perda de atratividade dos recursos da caderneta de poupança e o seu consequente esvaziamento, aliados à proposta em tramitação no Congresso Nacional de mudança de remuneração das contas vinculadas ao FGTS [Fundo de Garantia do Tempo de Serviço] e à demora do governo em anunciar a Fase 3 do Minha Casa, Minha Vida, têm prejudicado o lançamento e a produção de novos empreendimentos. Esses problemas podem ser potencializados com o aumento do desemprego na construção civil." .

O presidente da entidade, Claudio Bernardes, ressaltou que ainda não percebeu a retomada da confiança dos investidores no país, mesmo após a aprovação de medidas da política de ajustes fiscais. “Isso desanima os incorporadores de fazer novos lançamentos, e os consumidores ainda estão inseguros com os rumos da economia. Mesmo assim, o mercado imobiliário de São Paulo se comportou razoavelmente bem nos últimos três meses."

15.07.15 20:47

Outras Notícias:  
17.11.17 17:33 Economia deve continuar crescendo, ainda que ...
17.11.17 17:30 No Brasil, falta trabalho adequado para 26,8 ...
17.11.17 17:28 Pretos ou pardos são 63,7% dos desocupados no país
17.11.17 17:25 Banco Central alerta sobre riscos do uso das moedas virtuais
16.11.17 10:39 Inflação pelo Índice Geral de Preços cai de 0,49% para 0,24%
16.11.17 10:37 Cartão de loja é o tipo de crédito que mais l...
14.11.17 15:37 Vendas do comércio crescem 0,5%, diz pesquisa do IBGE
13.11.17 20:38 Para onde vai o 13º salário
13.11.17 11:12 Mercado eleva para 3,09% projeção da inflação este ano
13.11.17 11:08 Reforma trabalhista amplia horizontes para qu...
 
Anterior [1/1049] Próximo
Copyright © Vida Econômica - É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Power by Sistema agencianaweb.com.br