4-0-3
 
 
Página Inicial  

Pesquisar pelo Site:

Oriente-se
Empresas
Imóveis
Turismo
 
 



 

Faturamento da indústria cai 5,5% em junho, diz CNI



Kelly Oliveira
da Agência Brasil

O faturamento da indústria em junho caiu 5,5% em relação a maio, de acordo com dados ajustados para o período, divulgados pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Dados ajustados para o período significam desconto referente ao aumento das vendas de produtos em feriados ou datas comemorativas.

No segundo trimestre, comparado ao primeiro, a queda foi 6,7%. O emprego na indústria também apresentou retração, de 0,7%, em junho, e de 2,6%, no segundo trimestre. As horas trabalhadas na produção diminuíram 1,1% em junho e 2,9%, no trimestre.

A indústria operou, em média, com 80,1% da capacidade instalada em junho, resultado praticamente estável em relação a maio (80%).

Após três meses seguidos de queda, a massa salarial real voltou a crescer em junho, com alta de 0,8% em relação a maio. Já no segundo trimestre, houve queda de 3,4% na comparação com o período anterior.

No mês, o rendimento médio real também interrompeu a trajetória de queda, com crescimento de 1,3%. Mas, no trimestre, houve queda de 0,9%.

Segundo o gerente executivo da Unidade de Política Econômica da CNI, Flávio Castelo Branco, esse aumento da massa salarial em junho se deve à incorporação de indenizações pagas a trabalhadores demitidos. “Na medida em que as empresas demitem, têm que arcar com pagamentos relativos a dispensas. Isso termina no aumento da massa salarial. Mas é um aumento temporário”, disse.

Para Castelo Branco, os dados divulgados hoje indicam que o “quadro recessivo do setor industrial se intensificou no segundo trimestre”. Segundo o economista, a inflação, que reduz o poder de compra da população, e a queda da confiança de empresários e consumidores são fatores que levam à recessão. Ele acrescentou ainda, entre esses fatores, as medidas de ajuste na economia, como a alta da taxa básica de juros, a Selic – o que encarece os empréstimos –, o aumento de tributos e a redução de desonerações, além do corte de gastos. O gerente executivo considera, no entanto, que as medidas de ajuste fiscal são necessárias.

Nesse cenário, Castelo Branco ressaltou que é preciso melhorar a competitividade da indústria. “Tem que ter uma agenda voltada para a recuperação da produtividade da economia brasileira”. Segundo ele, as empresas estão tentando reduzir custos para melhorar a produtividade. O economista acrescentou que também é preciso recuperar a confiança dos empresários, com medidas do governo para reduzir a burocracia e evitar incertezas na economia.

04.08.15 19:34

Outras Notícias:  
17.11.17 17:33 Economia deve continuar crescendo, ainda que ...
17.11.17 17:30 No Brasil, falta trabalho adequado para 26,8 ...
17.11.17 17:28 Pretos ou pardos são 63,7% dos desocupados no país
17.11.17 17:25 Banco Central alerta sobre riscos do uso das moedas virtuais
16.11.17 10:39 Inflação pelo Índice Geral de Preços cai de 0,49% para 0,24%
16.11.17 10:37 Cartão de loja é o tipo de crédito que mais l...
14.11.17 15:37 Vendas do comércio crescem 0,5%, diz pesquisa do IBGE
13.11.17 20:38 Para onde vai o 13º salário
13.11.17 11:12 Mercado eleva para 3,09% projeção da inflação este ano
13.11.17 11:08 Reforma trabalhista amplia horizontes para qu...
 
Anterior [1/1049] Próximo
Copyright © Vida Econômica - É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Power by Sistema agencianaweb.com.br